Para o bonde que eu quero voltar

Publicado em 19/09/2019

Anos 60/70

- As agências bancárias funcionavam até 18h.
- Cinema era sempre às duas, quatro, seis, oito e dez.
- Teatro era de terça a domingo.
- Condução era trem, bonde, ônibus ou lotação.
- Quem sabia das coisas, ia à praia no Castelinho, em Ipanema e depois da praia, macarronada na Spaghettilândia.
- Tínhamos que ir até São Conrado para comer casquinha de siri ou para transar no King’s Motel.
- Almoço de domingo era no Bar Lagoa ou Confeitaria Colombo com piano ao vivo.
- Tinha um tobogã na Lagoa e outro em São Conrado.
- Todo telefone era preto. A gente tinha sempre uma ficha no bolso para falar no telefone público. Tinha telefone público!!!
- Fumávamos Continental, Hollywood e Minister, e acendiamos com isqueiro Zippo.
- A gente tinha medo de telefone vermelho, de bomba atômica e de areia movediça.
- Baleira de cinema vendia Mentex, bala Toffee e drops Dulcora. Ainda existe drops ?
- Para estar na moda, tinha que se usar calça jeans desbotado e com boca-de-sino, camiseta manchada e sandália com sola de pneu. Tênis era Bamba ou Conga.
- Fazíamos compras no Supermercados Disco, Hippie Center, na Billboard Discos e numa loja de jeans usados chamada Lixo, que ficava no Shopping dos Antiquários.
- O Shopping dos Antiquários era conhecido como shopping da Siqueira Campos.
- Tinha um grupo em cada rua, e era comum o aluguel de campos ou quadras para um jogo contra. Futsal era futebol de salão, com a bola pequena e pesada, que não quicava. A vida de goleiro era difícil...
- Os prédios da Delfim Moreira tinham, no máximo três andares, a Vinicius de Moraes chamava-se Montenegro e eu só gostava de ir a Ipanema para assistir a um filme no Pax e, depois, comer um cheesebacon no Chaplin.
- Quem ia à Bahia voltava sempre com um berimbau, quem ia a Buenos Aires trazia um frasco de colônia Lancaster e bronzeador Rayto de Sol e quem ia a Nova York tinha que ver “Cats”e trazer jeans Lee ou Levis.
- No meu tempo, quem ia Machu Pichu às vezes não voltava da viagem.
- Só existiam três canais de televisão: a TV Rio, a TV Tupi e a TV Continental. Depois, bem depois, apareceu a TV Excelsior e tinha mais coisas para se ver em três canais do que nos cento e tantos canais de hoje na TV a cabo.
- Tinha filme que era proibido para menores de 21 anos. Geralmente, eram com a Martine Carol. No primeiro domingo do mes, às 10 da manhã, tinha Sessão Tom & Jerry no Metro.
- Os elevadores tinham porta pantográfica.
- Não existia porteiro eletrônico (todo mundo jogava a chave da janela ou tinha uma cestinha com barbante que servia de elevador).
- Ouvia-se jogo de futebol em radinho de pilha Spika.
- Usávamos óleo de bronzear. Todo mundo comprava uma cadeira de praia nova no começo do verão.
- Dó criança andava de bicicleta.
- A gente trocava tampinhas de Coca-Cola por miniaturas de personagens da Disney. As tampinhas de Coca-Cola eram chamadas de chapinhas.
- Guardávamos palitos de picolé para concorrer a prêmios na Grande Ginkana Kibon.
- Colecionávamos álbum de figurinhas com fotos da recém-inaugurada Disneylândia.
- A gente dançava Cha Cha Cha e Twist no Black Horse e Hully Gully no Jirau.
- Big Boy arrebentava no Cavern Club com musicas dos Beatles e no Ritmos de Boate.
- O festival de Woodstock chamou a nossa atenção para as grandes bandas de rock.
- Não tinha restaurante japonês, nem comida indiana, nem pizza fininha. Quando a gente saía de casa, era para comer camarão à milanesa com arroz à la grega ou massa no La Mole..
- Quem estava na moda usava calça Lee, camisa Banlon, Company ou Petit Balet e mocassim feito sob medida do Moreira ou do Souza.
- Tinha o Teatro Copacabana no Copacabana Palace, o Teatro Glória no Hotel Glória e o Teatro Bloch no prédio da Manchete.
- A gente pegava jacaré na praia, e isso não tinha nada a ver com o mundo animal. Para se alimentar na areia, só tinha biscoitos Globo, picolé, mate e tringuelingue. Um dia, surgiu uma grande novidade: limão! No calçadão, dava para comer cachorro-quente Geneal.
- Família disfuncional era chamada de família desajustada.
- Um estilo diferenciado era um estilo diferente. Era mais simples.
- Táxi era um Fusca sem o banco do carona ou algum carro americano das antigas. A gente entrava em ônibus pela porta de trás. Carros de luxo eram o Alfa Romeo, o Aero Wyllis e o Simca Chambord.
- Biscoito era vendido a granel. As Mercearias Nacionais inovavam entregando as compras em casa. Padeiro passava pela rua de bicicleta.
- Tinha um salão de barbeiro em cada quarteirão. Uma floricultura a cada dois quarteirões. Uma quitanda a cada três quarteirões.
- A Consuelo Leandro dizia “aceita um croquete, seu Jacinto?”, e a gente morria de rir. O Ronald Golias, vestido de Bartolomeu Guimarães, dizia só “o gancho”, e a gente ria também. O Chico Anysio dizia “lá vai o Caravelle” toda semana, e a gente sempre ria.
- Tinha acampamento em barracas individuais mas o bom era em pára-quedas, na areira das praias.
- Tinha sanduíche de queijo com banana, tinha pizza brotinho e vaca preta era a mistura de sorvete de creme com Coca-Cola.
- Quem iluminava o seu lar era a Galeria Silvestre. Ninguém, ninguém vendia mais barato que O Mundo das Louças. E a Príncipe vestia hoje o homem de amanhã.
- Quase todo mundo tocava violão, ou pelo menos achava que tocava.
- Surge o movimento hippie, defendendo o amor livre e a não violência. O lema "Paz e Amor" sintetizava bem a postura política dos hippies, que constituíram um movimento por direitos civis, igualdade e anti-militarismo.
- Em Copacabana, tinha Cine Flórida, Cine Alvorada, Cine Royal. Na Tijuca, Cine Olinda, Cine Metro-Tijuca, Cine Carioca, Cine América, Cine Skye, Cine Art-Palácio, Cine Tijuca Palace, Cinema 3, Cine Rio, Cine Britânia, Cine Comodoro, Cine Madrid, Cine Bruni Tijuca, aff! Será que faltou algum?
- Tinha Varig, VASP e Cruzeiro do Sul, mas só os ricos viajavam de avião.
- Tinha Rádio Tamoyo, Rádio Mundial e Rádio Relógio, com sua cultura inútil e 3 bips.
- Tinha cinema em drive-in e corrida de submarino na Praia do Arpoador.
- Playboys davam cavalo de pau na Curva do Calombo, na Lagoa, e na do Curva do Bandolim, no Alto da Boa Vista.
- Tinha caneta- tinteiro Parker 51 e tinta azul lavável.
- Tinha compasso, apontador de lapis, esquadro e régua de cálculo.
- Tinha piquenique em Paquetá, patinação do gelo no Quitandinha e aula de canto orfeônico.
- Íamos ao Maracanã assistir jogos de qualquer time, mesmo sem torcer, e de geral. Era certeza de ver bom futebol.
- Tinha o FIC - Festival Internacional da Canção e os festivais, quase todos dirigidos pelo Adonis Karan, de onde surgiram quase todos os grandes da MPB.
- E Tinha o mais importante,muito amor, muita paz, muito carinho e muita amizade!


By@RicardoGoldbach

Receba nossas notícias no seu e-mail:

Contador de acessos 2672103

Kubik-Rubik Joomla! Extensions

logotipo ibs