EM FALA ARREBATADORA, MIRO DIZ QUE SENADO NÃO PODE ARQUIVAR IMPEACHMENT
 Parece que a idéia do Impeachment cresce também no Senado
 
 
NOTÍCIAS
NO STF
EM FALA ARREBATADORA, MIRO DIZ QUE SENADO NÃO PODE ARQUIVAR IMPEACHMENT
EM DEFESA DA CÂMARA, ELE ANTEVÊ 'PRESIDENCIALISMO ABSOLUTISTA'


DEPUTADO FALOU EM NOME DA CÂMARA, MAS CRITICOU EDUARDO CUNHA
PUBLICIDADE
Ao falar em nome da Câmara, o deputado Miro Teixeira (Rede-RJ), decado da Câmara dos Deputados, defendeu nesta quarta-feira, 16, no Supremo Tribunal Federal (STF), o voto secreto para a eleição da comissão especial que irá analisar o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. De acordo com o deputado, que também é advogado, o Senado também não pode arquivar um processo de impeachment que tenha sido acatado pela Câmara. Seu discurso foi considerado "arrebatador".
O deputado deixou claro no plenário do Supremo que não endossa o pedido de impeachment acatado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), mas reiterou a legitimidade da instauração do processo e descartou a possibilidade de defesa prévia de Dilma.

"Se isso acontecer, o cidadão brasileiro precisará ser avisado de que se instituiu no Brasil o presidencialismo absolutista", argumentou Teixeira.

O deputado considerou que será preciso fazer 'mea culpa' ao ex-presidente Fernando Collor, por causa do rito de impeachment adotado em 1992, caso outro entendimento seja adotado. "A lei é clara em garantir a ampla defesa no momento oportuno. Mas é preciso defender a mesma lei que valeu para o Collor", disse.

Teixeira não poupou críticas ao presidente da Câmara Eduardo Cunha, lembrou da devassa que ele sofreu ontem em mais uma fase da Operação Lava Jato e também mencionou a briga entre parlamentares que aconteceu na semana passada, durante sessão do Conselho de Ética que analisa o pedido de processo conta o peemedebista. Apesar disso, Teixeira defendeu que esses detalhes não comprometem a instauração do processo pela Câmara e não devem atrapalhar no julgamento dos ministros ao definir o rito do impeachment.

"Não nos é confortável saber de tudo isso, e seguramente vossas excelências sabem disso. Mas nós entendemos que é daquela instituição que saíram as leis que permitem o Brasil democrático, permitem tornar todos os cidadãos iguais perante a lei."

MIRO REDE CÂMARA IMPEACHMENT STF SUPREMO EDUARDO CUNHA PMDBPRESIDENCIALISMO ABSOLUTISTA SENADO CONGRESSO DILMA
 
 
 
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar