PGR denunciará Lula ao Supremo

 Baseada na delação do assessor do Senador Delcídio do Amaral, Procuradoria já vê indícios de crime na conduta do ex-Presidente, que, segundo as evidências, tentou comprar o silêncio de Nestor Cerveró
 
ANA CLARA COSTA Época

A Procuradoria-Geral da República (PGR) usará o termo de delação premiada de Diogo Ferreira, ex-Chefe de Gabinete do Senador Delcídio do Amaral, para encorpar a denúncia que prepara contra o ex-Presidente  Lula , segundo fontes ligadas ao caso. As informações sobre os pagamentos feitos por Maurício Bumlai, filho do pecuarista José Carlos Bumlai, um grande amigo de Lula, para financiar a família do ex-Diretor da Petrobras Nestor Cerveró, constam do documento firmado por Ferreira e homologado pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, na última quinta-feira. O teor dessa delação foi revelado pela ÉPOCA. A denúncia será apresentada pela PGR ao Supremo até o começo de maio. 

Na delação, Ferreira conta, detalhadamente, como foram os encontros com Maurício Bumlai, para receber dinheiro vivo e repassá-lo à família de Cerveró, por meio do advogado Edson Ribeiro, que intermediava o contato. Uma das justificativas do cuidado “especial” de Delcídio com a família Cerveró se justifica, em parte, segundo Ferreira, pela preocupação do ex-Presidente Lula sobre as informações que poderiam surgir de uma delação do ex-Diretor. Segundo a delação de Delcídio, homologada em março, Lula seria o principal articulador da estratégia de "comprar o silêncio" de Cerveró. Em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR), no início de abril, o ex-Presidente se defendeu das acusações e negou que tenha participado de qualquer ação para impedir que Cerveró fechasse delação premiada. 

Segundo Ferreira, o filho do pecuarista repassou, a ele, 150 mil com destino à família Cerveró. Foram três entregas de R$ 50 mil. O assessor de Delcídio apresentou, como provas de corroboração, mensagens trocadas com operadores de Bumlai e o seu próprio filho, combinando os encontros para buscar o dinheiro. Há, até, mensagens de áudio ,via aplicativos ,como What'sApp e Telegram. Ferreira entregou, também, coordenadas do seu celular, comprovantes de hospedagem, em São Paulo,, e vouchers dos seus vôos. Narra, minuciosamente, as coletas de dinheiro. A última entrega registrou cenas de filme policial. Ferreira conta que entrou em um carro, no banco do carona, e, no assoalho, havia uma sacola com uma caixa de um vinho; que o motorista disse que aquela era a encomenda de Maurício Bumlai. Em outra ocasião, Ferreira foi orientado por um ex-assessor de Delcídio, o Coronel Angelo Rabello, a encontrar uma terceira pessoa chamada Alexandre, no Aeroporto de Congonhas. Alexandre levou Ferreira até seu carro, no estacionamento do aeroporto, e lhe entregou uma sacola das lojas Renner, onde havia uma caixa de sapatos fechada. “Havia um buraco na caixa de sapatos, permitindo ao depoente ver, como efetivamente viu, que havia dinheiro em espécie em seu interior”, disse o delator. 

Ainda, de acordo com Ferreira, Delcídio havia citado como plano B, para os pagamentos aos honorários de Ribeiro, o banqueiro André Esteves, que havia se prontificado a ajudar. No documento, o delator diz que Esteves estava, especialmente, preocupado com a delação de Cerveró, devido a negócios com bandeiras de postos de combustíveis e operações na África. O BTG adquiriu, em 2013, metade da operação de exploração da Petrobras na África, criando a chamada PetroÁfrica. O negócio foi fechado por US$ 1,5 bilhão, enquanto o mercado precificava a mesma fatia acionária por US$ 4 bilhões. Conforme ÉPOCA revelou, a delação do lobista Hamylton Padilha, que participou das negociações, deverá esclarecer a diferença de valores. André Esteves foi preso, em novembro do ano passado, juntamente com Delcídio do Amaral, depois que uma gravação, feita pelo filho de Cerveró, Bernardo, o incriminou. No áudio, enviado aos Procuradores, Delcídio diz, a Bernardo, que Esteves ajudaria a financiar a fuga de seu pai do Brasil. Esteves foi solto pouco antes do Natal.
 
O ex-Presidente Lula discursa durante manifestação, pró-Governo, dia 11 de abril, no Rio de Janeiro 
(Foto: AP Photo/Leo Correa)
 
 
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar