A herança deixada pelo PT

Herança que Lula deixou para nós e para ele próprio. Herança que ele nunca pensava que o atingisse mas um dia a casa cai... Agora vamos acompanhar como o judiciário de 1ª Instância e verificarmos como as diversas acusações que pairam sobre o molusco fanfarrão e se o JUDICIÁRIO permitirá que LULA se candidate em 2018 ou se este decretará o seu fim político.

A herança deixada pelo PT

(Osmar José de Barros Ribeiro, em 14 Set 2016)

Desde que o Partido dos Trabalhadores (PT) assumiu a presidência da República, ficou meridianamente claro seu objetivo de subordinar o Brasil e o restante da América do Sul aos ditames do Foro de São Paulo (FSP). Nem por outra razão, no poder, Lula criou o cargo de Assessor Especial para Relações Internacionais e deu-o a Marco Aurélio Garcia, conhecido por suas ligações com Cuba e que passou a ser o verdadeiro ministro das Relações Exteriores.

Daí para a frente, Lula, em mais de uma ocasião, vangloriou-se da esquerdização em curso na América Latina, atribuindo tal progresso aos

avanços do Foro de São Paulo, conforme fartamente documentado. Com Lula e seus assessores de esquerda, veio a pretensão de liderar o

conjunto de países sul-americanos e mesmo da América Central o que, nesse caso específico, custou-nos vexaminosa atuação no episódio da deposição do presidente hondurenho Manuel Zelaya, durante muito tempo “hospedado” na representação brasileira. Ainda a Lula deve ser creditada a criação de embaixadas em países sem nenhuma importância e a pretensão de mudar o eixo da política econômica e comercial do Brasil. Sob seu comando, protagonizamos episódios vergonhosos tais como a aceitação da expropriação dos bens da Petrobras na Bolívia e o rompimento do Tratado de Itaipu, com o Paraguai, apenas para satisfazer as ambições populistas do então presidente daquele país.

Com a ex-presidente Dilma Roussef, tudo piorou. Na verdade, a influência dos dogmas petistas sobre as nossas relações exteriores acentuou o isolamento não só do Brasil quanto do Mercosul em relação ao comércio internacional. Ficamos, esta a verdade, presos às conveniências ideológicas dominantes em boa parte dos países, com destaque para a Argentina, o Brasil, a Bolívia, o Equador e Uruguai. Com Dilma, a “lutadora pela democracia”, além do golpe imposto ao Paraguai para a admissão da Venezuela no mercado comum, foi criada a Unasul, na prática, a oficialização da existência do Foro de São Paulo.

Mas isso não foi tudo. Enquanto o Brasil lutava e luta com sérias deficiências em infraestrutura, saúde, educação e segurança, 12 milhões de desempregados e a economia em frangalhos, nossa então governante preocupava-se em financiar (com dinheiro do BNDES) o porto de Mariel em Cuba (que nos levou a bagatela de 950 milhões de dólares); o perdão de dívidas de países africanos (mais 900 milhões de dólares) e a cessão, em boa hora suspensa pelo atual governo, de 3 aeronaves Tucano para Moçambique.

Hoje, o novo governo enfrenta, além dos desacertos herdados da administração petista, os tais “movimentos sociais”, saudosos das benesses que lhes eram prodigalizadas por Lula, Dilma et caterva. Trata-se, sem dúvida alguma, de uma radicalização que agrava os problemas vividos pelos brasileiros. A esperança é que, breve, acabado o dinheiro fruto dos desvios petistas e entesourado nos sindicatos, a situação mude e que os novos dirigentes possam dizer ao que vieram.

Tal é a herança petista: desemprego, economia à míngua e a lamentável perspectiva de enfrentamentos nas ruas.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar