Especial: O fim de Lula (ou o seu recomeço, leitor)

Com o resultado histórico do julgamento do habeas corpus do Lula no STF, trazemos a você hoje uma newsletter especial, com comentários dos nossos colunistas e editores, que avaliaram os impactos econômicos e políticos do acontecimento.

O que pode acontecer agora e como isso pode afetar os seus investimentos? Abaixo, você encontrará respostas e ideias. Esperamos que você aproveite!

A prisão de Lula faz parte de uma tendência global, por Marink Martins

Influenciada pelo noticiário local, é normal para a população de um país acreditar que eventos ocorrendo ao seu redor tenham características peculiares. Afinal, é da natureza humana se preocupar mais com um vizinho próximo do que com desconhecidos a dez mil quilômetros de distância.

Mas um olhar mais amplo nos ajuda a compreender que muitos desses eventos trazem consigo características globais que, de uma forma lenta, vão se disseminando de continente em continente e acabam por formar um marco histórico.

A prisão de Lula é um ótimo exemplo. Embora seja um drama brasileiro, este ocorre em paralelo a eventos com características similares na Coreia do Sul e África do Sul.

Na país asiático, a ex-líder Park Geun-hye, após passar um ano em reclusão aguardando sentença, foi condenada a 24 anos de prisão e a pagar uma multa milionária. Já na África do Sul, o ex-presidente Jacob Zuma renunciou ao cargo, em fevereiro deste ano, em meio a uma tonelada de acusações de corrupção. Assim como Lula, Zuma nega todos os delitos e diz se tratar de uma conspiração política para prejudicá-lo.

Nota-se que há em curso um movimento global de combate à corrupção. Não se sabe exatamente onde tudo começou, mas a Operação Mãos-Limpas, na Itália, exerceu uma forte influência na Operação Lava-Jato no Brasil. Pouco se fala por aqui, mas uma grande investigação contra políticos russos levou os EUA a aprovarem uma medida, em 2012, que ficou conhecido como Magnitsky Act.

A verdade é que, com os avanços da globalização e da tecnologia das redes sociais, ficou mais evidente às grandes massas que o populismo muitas vezes está associado à corrupção. E que tal prática, em longo prazo, conduz à inflação e, eventualmente, a um maior desemprego. Tudo isso sem falar na violência que ocorre de forma oculta em muitos destes atos.