Vem mais bomba!

Haja ventilador!
Esta nação vai estremecer.
Se isto tudo for verdade a coisa tá mais feia do que se imagina..........
Vai ter muita gente querendo entrar no 'túnel do El Chapo'...

LULA & ROSE
Carlos Newton
Está chegando ao final um dos maiores mistérios da República. Os autos do Mandado de Segurança 20895, impetrado pelo repórter Thiago Herdy e por O Globo já estão conclusos desde 27 de março, na mesa do ministro Napoleão Nunes Maia Filho, do Superior Tribunal de Justiça, para que mande cumprir o acórdão da 1ª Seção da corte, que autorizou o acesso aos dados do cartão corporativo do governo federal usado pela ex-chefe da representação da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Nóvoa de Noronha.
O tribunal acolheu pedido feito pela rede de jornais Infoglobo e pelo jornalista Thiago Herdy Lana para terem acesso aos gastos, com as discriminações de tipo, data, valor das transações e CNPJ/razão social.
O rombo na CEF é de R$ 25 bilhões.
TÓRRIDA PAIXÃO
Como se sabe, desde a década de 1990, quando se conheceram no Sindicato dos Bancários de São Paulo, numa reunião conduzida pelo dirigente sindical João Vaccari Neto, Rosemary era concubina do então líder sindical Luiz Inácio Lula da Silva.
Em 2003, ao assumir o poder, Lula trouxe a companheira para perto de si, nomeando-a para o importante cargo de chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo. E o romance prosseguiu, com o presidente usufruindo da companhia de Rose em 32 viagens internacionais que tiveram a ausência da primeira-dama.
Tudo continua bem, até que novembro de 2012, já no governo Dilma Rousseff, Rose acabou envolvida na Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, que investigou venda de pareceres técnicos para liberação de obras favorecendo empresas privadas, foi imediatamente demitida e está respondendo a processo.
DILMA USOU ROSE
Desde 2013, já rolava na Justiça o mandado de segurança apresentado pelo repórter Thiago Herdy e pelo O Globo para quebrar o sigilo dos gastos do cartão de Rose, sob argumento de que o acesso a documentos administrativos tem status de direito fundamental, consagrado na Constituição Federal e em legislação infraconstitucional.
Em 2014, quando cresceu no PT o movimento "Volta, Lula", para que o ex-presidente Lula fosse candidato, Dilma Rousseff resistiu e não quis abrir mão da candidatura. Lula insistiu e ela então lançou sobre a mesa a cartada decisiva, ameaçando divulgar os absurdos gastos de Rose no cartão corporativo da Presidência, que se tornariam um escândalo capaz de destruir a campanha eleitoral do PT, Lula foi obrigado a recuar.
DIREITO LÍQUIDO E CERTO
Para o relator do caso no STJ, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, a recusa de fornecer os documentos e as informações a respeito dos gastos efetuados com o cartão corporativo, com o detalhamento solicitado, constitui violação ilegal do direito líquido e certo da empresa e do jornalista de terem acesso à informação de interesse coletivo, assegurado pela Constituição e regulamentado pela Lei 12.527/11 (Lei de Acesso à Informação).
"Inexiste justificativa para manter em sigilo as informações solicitadas, pois não se evidencia que a publicidade de tais questões atente contra a segurança do presidente e vice-presidente da República ou de suas famílias, e nem isso ficou evidenciado nas informações da Secretaria de Comunicação", afirmou em seu parecer.
"A divulgação dessas informações seguramente contribui para evitar episódios lesivos e prejudicantes; também nessa matéria tem aplicação a parêmia consagrada pela secular sabedoria do povo, segundo a qual é melhor prevenir do que remediar", concluiu o ministro, que vai mandar cumprir a sentença do STJ.
O PT VAI ÀS COMPRAS
Segundo o jornalista Cláudio Humberto, do site Diário do Poder, nos governos petistas de Lula e Dilma, de 2003 a 2015, os gastos com cartões corporativos já somaram R$ 615 milhões, o que significa mais de R$ 51 milhões por ano, enquanto em 2002, último ano do governo FHC, a conta dos cartões foi de R$ 3 milhões.
Cerca de 95% dessas despesas são "secretas", por decisão do então presidente Lula, que alegou "segurança do Estado", após o escândalo de ministros usando essa forma de pagamento em gastos extravagantes, como pagar tapiocas, resorts de luxo, jantares, cabelereira, aluguel de carro, etc.
Humberto diz que a anarquia chegou ao ponto de um alto funcionário do Ministério das Comunicações quitar duas mesas de sinuca usando o cartão, enquanto em São Bernardo, seguranças da família do então presidente Lula pagavam equipamentos de musculação com cartão corporativo e compraram R$ 55 mil em material de construção para a filha dele, Lurian.
Quando o sigilo for quebrado, esta nação vai estremecer.
Será divertido, podem esperar.

A cirurgia para reduzir a impunidade

07 de Outubro de 2016

A cirurgia para reduzir a impunidade

Por Mario Sabino

O fim do foro privilegiado é tão urgente quanto a decisão de prender condenados em segunda instância, felizmente ratificada pelo STF.

Hoje, Teori Zavascki rejeitou o pedido da PGR para desmembrar o inquérito em que Dilma Rousseff é investigada por obstrução da Justiça. O ministro a livrou de enfrentar Sérgio Moro. O argumento é que o imbróglio está ligado a Navarro Dantas, ministro do STJ que Dilma nomeou para tentar livrar Marcelo Odebrecht da cadeia. Como Navarro Dantas goza de foro privilegiado, o benefício foi estendido à ex-presidente da República. Dá para imaginar a celeridade que se dará ao tema.

A maioria dos ministros do STF fica muita brava quando se diz que o foro privilegiado é um benefício. Data vênia, a realidade mostra que se trata mesmo de um ótimo negócio para políticos corruptos.

A Lava Jato é um exemplo fulgurante. Nenhum político foi condenado até agora pelo STF, enquanto Sergio Moro já mandou para a cadeia vários participantes do petrolão. Por que, afinal de contas, Dilma tentou nomear Lula para a Casa Civil? Eu sei que você sabe, mas não custa repetir: para lhe dar foro privilegiado e, assim, obstruir o trabalho da Justiça. A Justiça é Sergio Moro.

O caso de Fernando Pimentel é outro escândalo. Há provas abundantes para que o governador de Minas Gerais seja processado por corrupção e outros crimes. O STJ, contudo, determinou que a Assembleia Legislativa do estado, dominada por Pimentel, é que deve dar permissão para que a Justiça apure as lambanças do petista. O STF pode reverter a decisão do STJ. Pode. Não existe garantia de que o fará.

Há também Renan Calheiros, que chegou a acumular doze inquéritos no Supremo. Atualmente, salvo engano, eles somam nove. E nenhum foi para a frente. O Supremo se desculpa afirmando que não tem "vocação penal”. Engraçado, ninguém tinha percebido.

O senador Roberto Rocha, do PSB do Maranhão, é o relator da PEC do fim do foro privilegiado. Ele acaba de pedir licença para cuidar da saúde, depois de desfigurá-la com a sugestão de criar varas especiais para processos envolvendo políticos. Quer substituir um foro privilegiado por vários.

Roberto Rocha licenciou-se para recuperar-se de uma cirurgia de redução do estômago. O fato de o assunto ter sido jogado para as calendas só reforça a certeza de que o fim do foro privilegiado é a única cirurgia capaz de reduzir o apetite dos políticos pela impunidade. Daí a sua urgência.

Reunião de Pauta - 07.10.2016 - Amigo fatiado

 [Acesse o vídeo aqui]


LINK RECOMENDADO
A PEC do Teto dos Gastos será votada no plenário da Câmara dos Deputados na próxima semana. Movimentos de esquerda e minorias estão se organizando para sabotar o projeto. Precisamos mostrar que a opinião pública está ao lado da responsabilidade fiscal. Pedimos seu apoio ao abaixo-assinado a favor da PEC 241 para mudar o Brasil.

 O MELHOR DO DIA

Teori livra Dilma de Moro

A Veja informa que Teori Zavascki rejeitou pedido da PGR para desmembrar o inquérito contra Dilma Rousseff por obstrução da Justiça. Rodrigo Janot queria que a petista fosse julgada... [leia mais]

- Dois pesos, duas medidas


Rédeas em Marcelo Odebrecht

O Antagonista soube que Marcelo Odebrecht não pode conversar com os integrantes da Lava Jato sem autorização prévia da família e dos advogados. Eles temem que MO... [veja mais]

- A "guerrilheira" nos emails da Odebrecht


Geddel diz que PEC 241 será votada na segunda

Em conversa com O Antagonista, o ministro da secretária de governo, Geddel Vieira Lima, disse que a falta de quórum hoje na Câmara para debater a PEC do Teto foi "um acidente de percurso". No entanto, ele lamenta que... [leia mais]

- Geddel: Se não aprovar PEC 241, governo terá que subir impostos 
- Geddel: Queremos amadurecer a reforma da Previdência 
- Jandira aciona o STF contra a PEC do Teto


PEC sem quórum

A PEC 241 é tão imprescindível que os aliados de Michel Temer abandonaram Brasília e deixaram o governo na mão. Diz o Estadão: "O governo não conseguiu convencer..." [veja mais]

- PEC do Teto: "Revolução fiscal" 
- Calma, nem tudo está perdido

Gleisi vai dar trabalho

Gleisi Hoffmann pautou para a próxima terça-feira uma audiência pública sobre a PEC do Teto na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. Gleisi... [leia mais]

- Aliás...

Gleisi, "a raposa no galinheiro"

Ronaldo Caiado a O Antagonista sobre Gleisi Hoffmann, ré por corrupção e lavagem de dinheiro no STF, presidir a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado: "É a velha história de raposa..." [veja mais]

- Presidenta Gleisi

Amigo desaparecido

Já se passaram seis dias. E o amigo continua desaparecido. Nenhum jornal até agora citou o relatório da PF em que Lula é identificado como o "amigo" que recebeu propina... [leia mais]

- Lula de malas prontas

PEC do fim do foro emperrada

Roberto Rocha, relator da PEC que pede o fim do foro privilegiado, pediu licença de quatro meses do Senado "por motivos particulares". Com isso, a proposta fica... [veja mais]


Quando Edinho dirá adeus a Moro?

Edinho Silva sairá das mãos de Sérgio Moro em meados de dezembro, quando o petista será diplomado prefeito de Araraquara, informa Lauro Jardim. Então, seguirá para o TRF o inquérito que corre contra ele por achacar empreiteiras na campanha de Dilma em 2014.

Meirelles é popular... lá fora

Uma palestra do ministro da Fazenda, em Washington, organizada pelo banco americano JPMorgan, reuniu cerca de 800 inscritos. Segundo os organizadores, recorde público do seminário. Todos interessados... [veja mais]

Agamenon: O bispo vai pegar!

Estas eleições foram muito malucas. A falta de dinheiro foi generalizada. O governo passado raspou os cofres públicos e milhões de candidatos desempregados tiveram que vender bala no sinal para juntar algum qualquer e, assim, poder comprar... [leia mais]

LINK RECOMENDADO
Receba a newsletter de investimentos mais lida do Brasil
O Mercado em 5 Minutos é a principal newsletter gratuita da Empiricus, lida por mais de 2 milhões de leitores!

 


ACESSE AQUI PARA SE CADASTRAR

Sabes o que são estes buracos que os persas fizeram no meio do deserto?

 Quem é que nunca ouviu falar da civilização persa, uma cultura extremamente rica e influente? A verdade é que eles atraíram os melhores intelectuais da época, a fim de poderem florescer como uma nação, construindo cidades como Susa ou Persépolis.
 
 

Grande parte do seu sucesso foi devido à sua excelente gestão da água, tanto nas cidades como no campo. O império vivia sob altas temperaturas e um clima muito seco, por isso era essencial saber aproveitar as escassas chuvas.

Uma de suas melhores invenções foram os Qanat, uma infraestrutura subterrânea capaz de recolher e canalizar a água da chuva de aquíferos e vales, transportando-a para as cidades. Esse sistema curioso foi agora nomeado Património Mundial pela UNESCO.


A técnica dos Qanats foi desenvolvida na Pérsia, no milénio I a.C. Essa maravilhosa invenção foi se estendendo a outros países áridos como Marrocos, Argélia, Líbia, Oriente Médio e Afeganistão.

Primeiro, era escavado um poço principal em uma colina, até ser encontrado um aquífero subterrâneo. Depois, um túnel horizontal era construído, desde o pé da colina até à fonte de água.
O túnel tinha uma tubagem e uma grande inclinação para transportar a água para o local desejado. Quanto maior o Qanat, menor era o seu declive.
Além do principal, os outros poços verticais eram construídos ao longo do Qanat. Estes garantiam a ventilação de água, assim como o seu controle e racionamento. Era também uma via de evacuação da terra, gerada ao esvaziar o túnel.


Graças a sua profundidade, o Qanat recolhia a água dos aquíferos e evitava a evaporação durante o transporte. Dentro desta infraestrutura, existem também áreas de descanso para os trabalhadores, tanques e moinhos de água.
Sendo água filtrada pela terra, o fluxo era seguro e limpo, por isso era ideal tanto para beber como para rega.


Hispan TV
No final do Qanat, havia um edifício que armazenava a água obtida, onde as pessoas também poderiam fazer suas próprias canalizações privadas.


Unesco
O governo persa foi forçado a construir o Qanat para transportar água das montanhas para a cidade e para os banheiros públicos. As pessoas ricas poderiam fazer uma extensão para a sua terra com seu próprio dinheiro.


As cisternas públicas, chamadas Ab Anbar eram outro engenho maravilhoso. Ele tinham um sistema de captação de ar para manter a água fria no deserto.

O mais curioso de tudo é que este sistema antigo de gestão de água ainda continua em execução, e permite uma distribuição equitativa e sustentável da água.

Voce Sabia

Receba nossas notícias no seu e-mail:

Contador de acessos 2664801

Kubik-Rubik Joomla! Extensions

logotipo ibs