Image


ciroO Globo fez um levantamento dos processos contra Ciro Gomes por calúnia, injúria, difamação e pedido de indenização por danos morais.

No total, 50 pessoas já processaram o presidenciável do PDT nos últimos 25 anos; são quase 100 ações e recursos em andamento.

O processo mais recente envolve o vereador paulistano Fernando Holiday, do MBL, que foi chamado por Ciro de “capitãozinho do mato”.

Segundo o levantamento, os campeões em número de ações são Eunício Oliveira, com 39 processos contra o candidato pedetista, João Doria, com 7, e Eduardo Cunha.

Jair Bolsonaro também entrou com uma ação contra Ciro por calúnia e injúria por ter sido chamado de “moralista de goela”.

Segundo o levantamento, os campeões em número de ações são Eunício Oliveira, com 39 processos contra o candidato pedetista, João Doria, com 7, e Eduardo Cunha.

Jair Bolsonaro também entrou com uma ação contra Ciro por calúnia e injúria por ter sido chamado de “moralista de goela”.

Volta ao pré-Lava Jato
STF ‘está voltando a ser STF’? Ou a era da impunidade é que está voltando?
EC 1!.jpg
Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo - 29 Junho 2018

Estava demorando, mas o ministro Marco Aurélio Mello conseguiu alcançar os três colegas da Segunda Turma, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, que tomaram a dianteira no confronto à Lava Jato e à opinião pública. Ontem, Marco Aurélio deu clara contribuição à sensação de que há uma corrida pela impunidade: por liminar, mandou soltar o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha no caso de desvios na Arena das Dunas (RN). Por sorte – ou por azar, dependendo da ótica –, Cunha coleciona processos e teve a prisão decretada por outras acusações, inclusive uma condenação em segunda instância por desvios da Petrobrás na compra de um campo petrolífero no Benin, na África. Assim, o todo ex-poderoso presidente da Câmara continua atrás das grades. Marco Aurélio, porém, conseguiu dar seu recado: ele é da Primeira Turma do STF, mas com coração e mente na Segunda, ao lado de Gilmar, Lewandowski e Toffoli. Afora o fato de que Gilmar vivia às turras com Lewandowski e Marco Aurélio no julgamento do mensalão do PT, os quatro agora parecem firmemente determinados a dar um chega prá lá na Lava Jato, numa posição de confronto ostensivo. “O Supremo está voltando a ser Supremo”, comemorou Gilmar, após a Segunda Turma despejar decisões polêmicas na terça-feira: soltou José Dirceu até o STJ anunciar se reduz ou não a pena de mais de 30 anos; anulou provas colhidas contra o ex-ministro Paulo Bernardo (PT) no apartamento funcional onde vive com sua mulher, a senadora Gleisi Hoffmann; suspendeu a ação contra o deputado estadual Fernando Capez (PSDB), envolvido na “Máfia da Merenda” em São Paulo. Ilhado e perplexo, o relator da Lava Jato, Edson Fachin, contestou as decisões machadianamente, mas perdeu em todas. Transformar uma reclamação num habeas corpus que nem sequer fora apresentado pela defesa de Dirceu? Pela “plausibilidade” de redução da pena? No caso de Paulo Bernardo, acusado de desvios no crédito consignado de funcionários públicos, o trio Toffoli, Gilmar e Lewandowski alegou que ele mora com Gleisi, que tem foro privilegiado no Supremo, e a busca e apreensão não poderia ter sido autorizada por um juiz de primeira instância. Dúvida de Fachin: o foro vale para uma pessoa, a senadora, ou para um imóvel? A grande suspeita é de que todos esses movimentos têm um objetivo audacioso e comum: livrar Lula da prisão e, ato contínuo, dar um jeito para permitir sua candidatura à Presidência, apesar da condenação em segunda instância e da prisão. Aliás, apesar de tudo. Até por isso, Fachin decidiu driblar a Segunda Turma e enviar o pedido de Lula para o plenário, onde o equilíbrio é outro, pelo menos por ora. Em setembro, Cármen Lúcia vai para a Segunda Turma, salvar Fachin do isolamento, e Toffoli assume a presidência – e a pauta. Podem escrever: ele vai pôr em votação a revisão da prisão em segunda instância, como o quarteto cobra a todo instante. Ao dizer que “o Supremo está voltando a ser Supremo”, Gilmar deixa no ar um temor: o de que não só o STF, mas o próprio País esteja voltando à velha normalidade pré-Lava Jato, em que tudo era uma festa para corruptos e Cunha, Cabral, Geddel, Joesley... jamais seriam presos. Naqueles tempos em que presidentes definiam pessoalmente regras e porcentagens para o assalto à Petrobrás, a operacionalização da corrupção era no Ministério da Fazenda, sindicalistas eram destacados para depenar os fundos de pensão e vai por aí afora. A Lava Jato tem defeitos e excessos, mas nada, nada, nada pode ser pior do que estava acontecendo no Brasil. 

Ah, a Matemática... Como contestá-la?? Vejam só:

1 presidente Palácio do Planalto

1 vice-presidente

1 câmara federal

81 senadores

513 deputados federais

27 governadores e vices

27 vice-governadores

27 câmaras estaduais

1.049 Deputados estaduais

5.568 prefeitos

5.568 vice-prefeitos

5.568 Câmaras municipais

57.931 vereadores

TOTAL: 70.794 POLÍTICOS.

12825 - Assessores parlamentares Câmara Federal (sem concurso)

4455 - Assessores parlamentares Senado (sem concurso)

27.000 – Ass. parlamentares Câmaras Estaduais (sem concurso – estimado/falta de transparência)

600.000 - Ass. parlamentares Câmaras Municipais (sem concurso – estimado/falta de transparência)

TOTAL GERAL: 715.074 FUNCIONÁRIOS NÃO CONCURSADOS.

CUSTO

248 mil por minuto;

14,9 milhões por hora;

357,5 milhões por dia;

10,7 bilhões por mês;

CUSTO TOTAL: acima de 128 BILHÕES por ano, mais 6 BILHÕES do FUNDO PARTIDÁRIO para 2018. Sem contar o rombo na previdência social com suas aposentadorias alienígenas.

35 PARTIDOS REGISTRADOS no TSE e 73 PARTIDOS em formação.

E o pior, mas muito pior, GOVERNANÇA ZERO, ZERO, ZERO!!!!!

GASTA-SE ESSA FORTUNA PARA DEIXAR O PAÍS MAIS RICO DO PLANETA NO ESTADO DE MISÉRIA EM QUE NOS ENCONTRAMOS (!!!!!).

lula chincana
A defesa de Lula agora quer que seja a Segunda Turma, e não o plenário do STF, que examine a reclamação contra Edson Fachin. O objetivo é afastá-lo do processo do petista e colocar o caso nas mãos de um dos outros quatro ministros que compōem a Segundona Amiga.

Essa gente vem passando do limite há muito tempo. É hora de dar um basta à chicana.

Dirceu solto;

2- Gleisi Hoffmann absolvida;

3- João Cláudio, ex-tesoureiro do PP solto;

4- Reajuste de 10% nos planos de saúde.

Lembrando que ainda faltam:

OITAVAS
QUARTAS
SEMIFINAIS
FINAL

logotipo ibs